quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Enfrentando as Crises no Casamento sem Pensar em Desistir

Não há casamento sem problemas. Todo casamento exige renúncia e adaptação. Nenhum casamento sobrevive sem perdão e restauração.
Hoje falamos repetidamente que família é o nosso problema número um. A família tem sido atacada vigorosamente pelas perigosas filosofias pós-modernas. Os fundamentos têm sido destruídos (Salmos 11.3). Estamos vivendo no meio da era pós-moderna, onde os valores absolutos das escrituras não estão sendo observados, mas repudiados. O que temos hoje não é apenas um comportamento imoral, mas a perda de critérios morais. Estamos enfrentando não apenas um colapso moral, mas um colapso de significado. Não há absolutos. Gene Edward Veith ainda afirma que, se não há absolutos, se a verdade é relativa, então não pode existir estabilidade, conseqüentemente, a vida perde o sentido.

O inevitável resultado do relativismo deste tempo é a falência dos valores morais, a fraqueza da família e o aumento espantoso da infidelidade conjugal. Valores relativos acompanham o relativismo da verdade. Em 1969, bem no meio da “revolução sexual, 68% dos americanos acreditavam que relação sexual antes do casamento era errada. Em 1987, mesmo a despeito do surto da AIDS, somente 46% acreditavam que o sexo antes do casamento era errado. Em 1992, somente 33% rejeitavam o sexo pré-marital. Infidelidade conjugal tem sido uma marca da sociedade contemporânea. Segundo algumas estimativas, 50 a 65% dos maridos e 45 a 55% das esposas têm sido infiéis até os 40 anos. Outros identificam que 26 a 70% das mulheres casadas e 33 a 75% dos homens casados têm se envolvido em casos extraconjugais, que têm sido não apenas comuns, mas altamente destrutivos”.

Divórcio tem sido estimulado como solução. Comentaristas sociais são notórios em afirmar que metade dos casamentos nos Estados Unidos termina em divórcio. Contudo, divórcio não é uma sábia solução para casamentos em crise, mas um sério agravante, um outro problema que na maioria das vezes, traz profundo sofrimento e frustração.

A psicóloga Diane Medved, diz que os casais estão chegando à conclusão que o divórcio é mais danoso do que enfrentar as crises juntos. As conseqüências e as seqüelas do divórcio são devastadoras a curto, a médio e a longo prazo. Há muitos casais e filhos arrebentados emocionalmente pelo divórcio. A presença de casamentos em crise, casamentos quebrados e até mesmo do divórcio está aumentando não apenas entre os não cristãos, mas também dentro das comunidades evangélicas. Há também, muitos líderes religiosos enfrentando divórcio. Isso é uma realidade que não pode ser negada. Contudo, à luz das Escrituras Sagradas, o divórcio não é a solução divina para a crise do casamento. Não é sensato fugir do problema em vez de enfrentá-lo. De fato não existe casamento perfeito. Não há casamento sem problemas. Todo casamento exige renúncia e adaptação. Nenhum casamento sobrevive sem perdão e restauração. Muitas pessoas hoje estão discutindo e procurando divorciar antes de entender o que as Escrituras ensinam sobre casamento.
Casamento não é uma união experimental. A aliança conjugal não termina quando as crises chegam. Só duas cláusulas de exceção para o divórcio nas Escrituras: a infidelidade conjugal (Mateus 19.9) e o abandono (1 Coríntios 7.15). Divórcio por quaisquer outros motivos e novo casamento constitui-se em adultério (Mateus 5.32).

Como, então, enfrentar crises no casamento sem pensar em desistir?

RECONHECENDO QUE O CASAMENTO NÃO É UMA INVENÇÃO HUMANA, MAS UMA INSTITUIÇÃO DIVINA

O casamento não é um expediente humano. O próprio Deus estabeleceu, instituiu e ordenou desde o início da história humana. Gênesis 2.18-24 revela que o casamento nasceu do coração de Deus quando não havia ainda legisladores, nem leis, nem Estado, nem igreja. Casamento é um dom de Deus para o homem e a mulher. Deus não apenas criou o casamento, mas também o abençoou (Gênesis 1.28). qualquer esforço de atentar contra os princípios estabelecidos para o casamento conspira contra Deus, que o instituiu. Por isso, Ele odeia o divórcio (Malaquias 2.14).

RECONHECENDO A NATUREZA DO CASAMENTO

Quando Jesus foi questionado pelos fariseus sobre o divórcio (Mateus 19.3-4), Ele não discutiu antes de falar sobre a natureza do casamento, de acordo com os princípios estabelecidos na própria criação (Mateus 19.4-8).

De acordo com o padrão absoluto de Deus, estabelecido na criação, o casamento em primeiro lugar é heterossexual (Gênesis 1.27). União homossexual é abominação para Deus (Levítico 18.22; Romanos 1.24-28).

Em segundo lugar, o casamento é monogâmico (Gênesis 2.24).

Em terceiro lugar, o casamento é monossomático (Gênesis 2.24). João Calvino disse que a união do casamento é mais sagrada e mais profunda do que a união que liga os filhos aos pais. Nada senão a morte pode separá-los.

Em quarto lugar, o casamento é indissolúvel (1 Coríntios 7.3). Jesus afirmou que marido e mulher não são mais dois, mas uma só carne e o que Deus uniu o homem não pode separar(Mateus 19.6). Divórcio, portanto, é uma rebelião contra Deus e seus princípios.

Em quinto lugar, o casamento não é compulsório. O celibato é um dom de Deus, não uma imposição ( Coríntios 7.32-35). Embora a razão do casamento seja para resolver o problema de solidão, Deus chamou para serem uma exceção à sua própria norma (Gênesis 2.18,24; Mateus 19.11-12; 1 Coríntios 7.7).

RECONHECENDO QUE EM DEUS PODEMOS SUPERAR AS CRISES DO CASAMENTO SEM AZEDAR O CORAÇÃO

Jesus disse para os fariseus que o divórcio nunca foi uma ordenança divina, mas uma permissão, e isso, por causa da dureza dos corações (Mateus 19.7-8). O divórcio ocorre por que os corações estão endurecidos. Dureza de coração é a indisposição de obedecer a Palavra de Deus. É a indisposição de perdoar, restaurar e recomeçar o relacionamento conjugal de acordo com os princípios de Deus. De acordo com Jesus, o divórcio jamais é compulsório, onde existe espaço para o perdão. Divórcio é conseqüência do pecado, não é uma expressão da vontade de Deus. Perdão e restauração são melhores que o divórcio. Divórcio não é compulsório nem em caso de adultério. Restauração é sempre o melhor.

Concluindo, ressaltamos que a igreja precisa dar ênfase à famílias fortes.Casamentos estáveis resultam em famílias, igrejas e sociedades saudáveis. A solução para o casamento e para a família não está nos modelos falidos da sociedade pós-moderna, mas eterna e infalível Palavra de Deus. O mesmo Deus que instituiu o casamento tem solução para os casamentos em crise. Somente Deus pode curar relações quebradas, trazendo esperança onde os sonhos já morreram; trazendo vida, onde as sombras da morte já escurecem os horizontes; trazendo cura e restauração, onde as feridas estão cada vez mais doloridas. O grande desafio para a igreja e sociedade contemporânea é retornar para Deus e obedecer os seus mandamentos. O mesmo Deus que criou o casamento tem solução para ele. Deus é o criador, sustentador e restaurador do casamento. Quando Ele reina no casamento, o divórcio não tem espaço.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

A unidade do casamento


1º Pedro - 3 - 7 : 7
Muitos casais cristãos estão vivendo hoje fora daquilo que DEUS idealizou.
Brigas constantes, desrespeito mútuo e distância entre o casal, são vistos em muitos lares. E além da infelicidade que isto produz em seus corações, ainda há a questão do mal testemunho dado. Penso que este é um assunto que merece nossa atenção, pois o princípio de viver em unidade é algo que não apenas produzirá maior realização emocional no relacionamento, como também liberará sobre o casal as bênçãos de DEUS.

COMPREENDENDO A UNIDADE
É importante que consigamos visualizar o que a unidade do casal pode produzir em suas vidas, e então seremos desafiados a preservá-la. Também entenderemos porque o diabo, o adversário de nossas almas, luta tanto contra ela. JESUS CRISTO nos ensinou que a unidade e concordância permite DEUS agir em nossas vidas:
“Ainda vos digo mais: Se dois de vós na terra concordarem acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus. Pois onde se acham dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”. Mateus 18:19,20
Por outro lado, a falta de unidade impede DEUS de agir. A palavra de DEUS nos mostra de modo bem claro que quando o marido “briga” com sua mulher, algo acontece também na dimensão espiritual: “Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações”. I Pedro 3:7
Ao deixar de honrar a mulher como vaso mais frágil e maltratá-la (ainda que só verbalmente), o marido está trazendo um sério problema sobre a vida espiritual do casal. A Bíblia diz que as orações serão impedidas. É lógico que isto também vale para a mulher, embora quem mais facilmente tropece nisto sejam os homens. O texto bíblico revela que depois de desonrar a mulher na condição de vaso mais frágil (com asperezas), o homem, mesmo que clame ao Senhor, terá sua oração impedida, pois um princípio foi violado.
DEUS não age em um ambiente de desarmonia e discordância. Isto é um fato.
Quando tentaram construir a torre de Babel, as Escrituras dizem que DEUS desceu para ver o que os homens faziam. E DEUS mesmo, ao vê-los trabalhando em harmonia e concordância de propósito declarou: ”Eis que o povo é um e todos têm uma só língua; e isto é o que começam a fazer; agora não haverá restrição para tudo o que eles intentarem fazer.Eia, desçamos, e confundamos ali a sua linguagem, para que não entenda um a língua do outro.” (Gn.11:6,7). O que vemos aqui é que a unidade remove limites.
Quando o casal se torna um e fala uma só língua (sem discordância) eles removem os limites diante de si! DEUS pode agir livremente num ambiente destes, mas basta perder a capacidade de falar a mesma língua que tudo se perde! No reino de DEUS, quando dois se unem, o efeito não é de soma, mas de multiplicação. Moisés cantou acerca do exército de Israel: um deles faria fugir a mil de seus inimigos, mas dois deles faria fugir dez mil! (Dt.32:30).
A unidade ainda traz consigo outras virtudes. Podemos ver isto numa das figuras bíblicas do Tabernáculo. O propiciatório da arca da aliança figura este princípio. O Senhor disse que ali Ele viria para falar com Moisés. O propiciatório (ou tampa da arca) era o lugar onde a glória e a presença de divina se manifestava. E nas instruções para a confecção desta peça, vemos o simbolismo da unidade. DEUS disse que os dois querubins deveriam ser uma só peça de ouro batido; com isto falava simbolicamente de unidade entre seus adoradores (Ex.25:17-19). Os querubins deviam estar com as asas estendidas um para o outro (Ex.25:20), o que fala de cobertura recíproca.
A falta de unidade nos leva a agir com o espírito de Caim que disse ao Senhor: “Acaso sou eu guardador de meu irmão?” (Gn.4:9). Mas quando estamos em unidade com alguém, cobrimos e protegemos esta pessoa! Esta é uma virtude que acompanha a unidade.
A outra, é a transparência. Os querubins deveriam estar um de frente para o outro (Ex.25:20). Isto fala alegoricamente de poder encarar outro adorador “olho no olho”. Fala de não ter nada escondido, de não ter pendências. Ninguém consegue olhar (espontaneamente) no olho de outra pessoa quando as coisas não estão bem. Quando Jacó fala para sua família que as coisas já não estavam bem entre ele e Labão, seu sogro, a expressão que ele usa é: “vejo que o semblante de vosso pai já não é mais o mesmo para comigo” (Gn.31:5). JESUS CRISTO disse que os olhos são a candeia do corpo.
Eles refletem o que está dentro de nós. E a unidade é a capacidade de olhar olho no olho e estar bem. Particularmente, eu não posso concordar com casais que escondem coisas um do outro, seja no que diz respeito à sua vida passada (erros e pecados) ou presente (como nas questões financeiras, por exemplo).
Acredito que a unidade verdadeira exige que haja remoção ou acerto de “pendências” (Pv.28:13).
Ás vezes fingimos um comportamento só para agradar (ou não desagradar) ao outro, o que diverge do ensino bíblico. Este teatro não produzirá unidade verdadeira. Temos que aprender a ser francos, como está escrito: “Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto” (Pv.27:5). Paulo censurou este tipo de comportamento dúbio quando escreveu aos gálatas. Ele falou sobre como o apóstolo Pedro em certa ocasião agiu assim para ser “diplomático” e que esta atitude conseguiu atrair até mesmo o próprio Barnabé, companheiro de Paulo, e ele os censurou publicamente (Gl.2:11-14). Contudo, quero ressaltar que ser franco não significa ser grosseiro, pois a Bíblia nos ensina a falar a verdade em amor. O conselho dado a Timóteo na hora de corrigir os que opunham, foi o de usar de mansidão (II Tm.2:25). A unidade manifesta a verdade (dolorosa às vezes) de forma bem mansa.


A Bíblia nos ensina também que o acordo é indispensável num relacionamento: “Como andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” Amós 3:3
A ausência de acordo é uma porta aberta para o diabo. Quando Paulo escreveu aos efésios e falou sobre não dar lugar ao diabo, o fez dentro de um contexto, que é o de pecados que acontecem nos relacionamentos: “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira, nem deis lugar ao diabo.” Efésios 4:26,27

Tiago escreveu sobre o mesmo princípio. Ele disse: “Pois onde há inveja e sentimento faccioso, aí há confusão e toda espécie de cousas ruins.” Tiago 3:16
Já mencionamos anteriormente que o acordo é uma porta aberta para ação de DEUS (Mt.18:19). Mas quando chegamos ao ponto de dissipa-lo de nosso relacionamento, estamos comprometendo não só a qualidade da satisfação na esfera emocional, mas também a esfera espiritual de nosso lar. Não é fácil ajustar-se satisfatoriamente na relação conjugal. As diferenças são muitas; na formação de cada um, na personalidade, temperamento, e acrescente a isto as diferenças entre homem e mulher. Contudo, quando aprendemos a ter como denominador comum o caráter e os ensinos de JESUS CRISTO, então conseguimos o ajuste por meio de ceder, perdoar, recomeçar, etc.
Mesmo um casal que parecia perfeitamente ajustado em seu período de namoro e noivado descobrirá a necessidade de mais ajustes à medida que os anos de casamento vão passando. Não é uma tarefa tão fácil, mas não é impossível! Se não estivesse ao nosso alcance, DEUS estaria sendo injusto ao cobrar isto de nós... mas o fato é que não só é algo possível, como também é uma chave poderosa na vida cristã!


Há uma ordem de governo e autoridade estabelecida por DEUS no lar. O marido é chamado o cabeça (Ef.5:22-24), e entendemos que como tal tem direito à palavra final. Porém, isto não quer dizer que o homem esteja sempre certo ou que não deva ouvir sua mulher. Encontramos no Velho Testamento uma ocasião em que o próprio Senhor diz a Abraão, seu servo: “Ouve Sara, tua mulher, em tudo o que ela te disser” (Gn.21:12). No Novo Testamento vemos Pôncio Pilatos desprezando o conselho de sua mulher e se dando mal com isto (Mt.27:19).
Precisamos considerar ainda que ser líder não significa ser autoritário.
Quando o apóstolo Pedro escreveu aos presbíteros (que compõem o governo da Igreja Local), disse em sua epístola que eles não deveriam ser “dominadores do povo” (I Pe.5:3). Isto mostra que autoridade e autoritarismo são duas coisas distintas. Vejo muitos maridos dizerem que suas esposas TÊM que obedecê-los! Mas ao dizer que as esposas devem ser submissas, DEUS não estava instituindo o autoritarismo no lar. Vale ainda lembrar que JESUS CRISTO declarou que “aquele a quem muito foi dado, muito lhe será exigido” (Lc.12:48). Os homens precisam se lembrar de que em matéria de responsabilidade do lar, terão que responder a DEUS numa medida maior que as mulheres. Mas não é preciso que o homem carregue o peso desta responsabilidade sozinho.
É importante que o casal dialogue e tome decisões juntos. Desde que casamos, minha esposa e eu sabemos quem é o cabeça do lar, mas foram muitas raras as vezes em que tomei uma decisão por mim mesmo. Sempre conversamos e discutimos sobre nossas decisões. As vezes já estamos de acordo no início da conversa, e às vezes precisamos de muita conversa para amadurecer bem o que estamos discutindo. Mas sabemos a bênção de caminhar em acordo e cultivamos isto entre nós. Entendo que se a mulher é chamada de “auxiliadora” na Bíblia, é porque o homem precisa de sua ajuda. E a ajuda da mulher não está limitada à atividades domésticas. A Bíblia fala com esta figura, que deve haver uma relação de companheirismo. Creio que como auxiliadora, a mulher deve ajudar a tomar decisões.
Este é um processo que exige ajuste. Na hora de discutir alguma decisão, ou mesmo a forma de ser e se comportar de cada cônjuge, vemos o quanto é difícil ouvir ao outro. Mas devemos atentar para o ensino bíblico sobre isto: “Responder antes de ouvir é estultícia e vergonha” (Pv.18:13). Tiago nos adverte o seguinte: “Sabeis estas cousas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar”.
Tiago 1:19.

A verdade é que normalmente somos prontos para falar e irar-se um contra o outro, mas tardios para dar ouvidos ao que o outro tem a dizer. E isto precisa ser mudado em nós! Para que haja acordo, precisamos aprender a ouvir.


Os desentendimentos ocorrem, mesmo entre os crentes mais dedicados, mas devem ser tratados logo. Lemos que alguém pode se irar e não pecar, pois é uma reação emocional espontânea. Mas o que cada um faz com o sentimento que teve pode se tornar pecado. Paulo aconselhou os irmãos de Éfeso a que não deixassem o sol se pôr sobre sua ira (Ef.4:26,27). Em outras palavras, que deveria haver acerto, perdão, e que nenhuma pendência ficasse para trás. Precisamos aprender a tratar com os desentendimentos no lar.
Preservar a unidade não significa nunca se desentender, mas saber dar a manutenção devida no relacionamento quando isto ocorrer.
O tempo não apaga as ofensas. Deve haver reconciliação. JESUS CRISTO ensinou isto: “Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta” Mateus 5:23,24
Alguns acham que depois de um desentendimento é só deixar “para lá”. Mas a Bíblia nos ensina o princípio de reconciliação de maneira bem formal. Deve haver pedido de desculpas, de perdão. Deve se conversar sobre o que aconteceu (o quê machucou o íntimo de cada um e porquê machucou). E não podemos perder de vista que devemos lutar para viver sem brigas, e não só reconciliar quando elas ocorrem (Ef.4:31).
Acredito, ainda, que atenção especial deve ser dada à forma de falar.
Talvez esta seja uma das áreas que mais sensíveis sejam nos desentendimentos que surgem no relacionamento, uma vez que a “comunicação” no lar não é só o que um fala, mas também a forma que o outro entende! As conversas não devem ser exaltadas ou em tom de briga. E quando um dos cônjuges se perde numa explosão emocional, é importante notar que a Bíblia não nos ensina a “jogar o mesmo jogo”. O que lemos nas Escrituras é justamente o contrário: “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” Provérbios 15:1
“A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para saberdes como deveis responder a cada um”.
Colossenses 4:6

Os maridos devem ter cuidado redobrado, pois por natureza são mais racionais do que emocionais e suas palavras tendem a ser mais duras e grosseiras. Por isto a Bíblia nos adverte: “Maridos, amai a vossas esposas, e não as trateis com aspereza” Colossenses 3:19

“Igualmente vós, maridos, vivei com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais frágil, e como sendo elas herdeiras convosco da graça da vida, para que não sejam impedidas as vossas orações”.
I Pedro 3:7
Embora seja verdadeiro e aplicável aqui o ditado de que “é melhor prevenir do que remediar”, precisamos reconhecer que muitas vezes falhamos permitindo desentendimentos que poderiam facilmente ser evitados. Neste caso, devemos aprender a consertar e tratar com estas situações. Mas não podemos esquecer também que mesmo havendo perdão e reconciliação depois do erro, quando ele se repete muito vai gerando desgaste e descrédito, e isto exige uma dimensão de restauração maior depois.
As intrigas no lar roubam o prazer de outras conquistas, como escreveu Salomão, pela inspiração do Espírito Santo: “Melhor é um prato de hortaliça, onde há amor, do que o boi cevado e com ele o ódio”. Provérbios 15:17
“Melhor é um bocado seco, e tranqüilidade, do que a casa farta de carnes, e contenda”. Provérbios 17:1
“Melhor é morar no canto do eirado do que junto com a mulher rixosa na mesma casa”. Provérbios 21:9
Há casais que alcançaram tudo o que queriam financeiramente, mas não conseguem viver bem juntos. Eles, melhor do que ninguém, podem afirmar quão verdadeiras são estas declarações bíblicas. Não adianta ter outras realizações e deixar o relacionamento conjugal se perder. Como alguém declarou: “Nenhum sucesso compensa o fracasso do lar”. Precisamos aprender a cultivar a unidade em nosso relacionamento. E isto acontece quando aprendemos a lidar de forma simples e prática nas questões do dia-a-dia. Que o Senhor nos ajude!
MEDITE BEM NISTO, JESUS CRISTO E O LIDER MAIOR NO TEU LAR
...

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Significado da aliança no casamento

A aliança entre DEUS e duas pessoas que se unem pelos laços do matrimônio, vai muito mais além de um simples contrato de casamento, ou regime de comunhão de bens.

Aliança é um compromisso ilimitado que o casal assume diante de DEUS, e dos homems como confissão de amor eterno. “De modo que já não são mais dois, porém uma só carne. Portanto, o que DEUS ajuntou não o separe o homem”. Mateus (19:6).

Características de aliança no casamento.

a) Juramento
b) Fidelidade
c) Vida compartilhada
d) Compromisso
e) Prioridade
f) Lealdade
g) Companheirismo

Os que já se casaram firmaram promessa de aliança eterna, até que a morte os separe, os que ainda irão se casar, também firmarão promessa de aliança eterna com sua amada.

DEUS fez aliança com seu povo, e tem promessas para todos nós, é Ele quem nos capacita em cumprir a aliança com nosso cônjuge.

Porque os montes se retirarão, e os outeiros serão removidos; mas a minha misericórdia não se apartará de ti, e a aliança da minha paz não será removida, diz o senhor, que se compadece de ti”. Isaias (54:10).

Durante a cerimônia de casamento os cônjuges fazem promessas como:

a) Amar
b) Honrar
c) Cuidar
d) Respeitar

Incondicionalmente como:

a) Na alegria
b) Na dor
c) Até a morte

Mais se em todas estas promessas, DEUS não estiver inserido como centro e razão da união, o compromisso foi firmado apenas entre duas pessoas.

a) Para que um casamento possa ser considerado como aliança é preciso que DEUS seja convidado a estar presente como testemunha eterna.
b) No casamento não pode haver egoísmo e nem individualismo, os cônjuges não são mais crianças, nunca poderá existir expressões como eu e meu.
c) As expressões que deverão ser usadas sempre serão nós e nosso, e assim vamos prosseguindo no crescimento e amadurecimento no plano de DEUS para o casamento.

Coloque nas mãos de DEUS seu casamento, faça sua parte, viva em perfeita harmonia, experimente a plenitude de seu relacionamento vivendo em sabedoria.

Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se caírem, um levanta o companheiro; ai, porém, do que estiver só; pois, caindo, não haverá quem o levante. Também se dois dormirem juntos, eles se aquentarão; mas um só como se aquentará? Se alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão; o cordão de três dobras não se rebenta com facilidade”. Eclesiastes (4:9-12).

Vocês dois fizeram votos no dia de seu casamento, portanto devem cumpri-los, conforme nos alerta a palavra de DEUS.

Quando a DEUS fizeres algum voto, não tardes em cumpri-los; porque não se agrada de tolos. Cumpre o voto que fazes. Melhor é que não votes do que votes e não cumpras”. Eclesiastes (5:4-5).

DEUS também tem promessas de aliança para a sua família, deixe DEUS dirigir sua família conforme.
Eles serão o meu povo, e eu serei o seu DEUS. Dar-lhes-ei um só coração e um só caminho, para que me temam todos os dias, para seu bem e bem de seus filhos. Farei com eles aliança eterna, segundo a qual não deixarei de lhes fazer o bem; e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se apartem de mim. Alegrar-me-ei por causa deles, e lhes farei bem, planta-los-ei firmemente nesta terra, de todo o meu coração e de toda a minha alma”. Jeremias (32:38-41).

Como podemos observar, existem muitos benefícios quando estamos em aliança com DEUS. Confie Nele, permita que JESUS CRISTO faça parte de seu relacionamento. Muitos ainda não experimentaram, permita a unção do Espírito Santo no seu casamento, você vai ver que JESUS CRISTO fará a diferença.

Respondeu-lhe Jesus; eu sou o caminho e a verdade e a vida, ninguém vem ao pai senão por mim”. João (14:6).

DEUS em sua infinita misericórdia fez oito alianças com o homem conforme relatado em sua palavra, revelando a nós, qual a boa, perfeita e agradável vontade em seu propósito, refletindo o seu amor, a sua graça e a sua fidelidade, embora nós não demonstremos nossa fidelidade para com Ele, mas pela sua misericórdia, Ele tem nos capacitado.


 Sejam muito felizes na santa graça de nosso senhor e salvador JESUS CRISTO.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Casamento, Deus e família

Oração dos casais

 Obrigado, Senhor, pelo amor que nos une!
Abençoa, Senhor, esse amor,
para que seja, a cada dia, mais novo e criativo!
Novo, para recomeçar sempre e com mais entusiasmo;
novo,para sustentar-nos nas horas de crises e dificuldades;
criativo,para compreender as pessoas que caminham ao nosso lado;
criativo, para estender a mão aos irmãos carentes.
Novo e criativo, para ser força transformadora na Sociedade em que vivemos.
Novo e criativo, para ser fonte geradora de paz, de harmonia.
E de filhos de Deus livres e conscientes.
Abençoa, Senhor, todos os casais que confiam em ti,
que confiam no amor e num mundo melhor.

Amém!

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Proteja seu casamento

O plano de Satanás é matar e roubar de você e de seu casamento. Ele até usa as coisas que parecem ser boas para lhe destruir. De fato, geralmente a busca do que é bom distrai da busca daquilo que é melhor.

Às vezes, o obstáculo não será um ataque de Satanás, mas simplesmente sua própria falta de raciocínio.

Esteja atento ao obstáculo de desenvolver a unidade no casamento:

Ter muitas atividades individuais
Ir em direções opostas muitos dias e noites da semana pode causar danos.
Negócios, envolvimento comunitário e igreja são importantes, mas se os seus horários são cheios de atividades individuais, seu casamento vai sofrer por falta de tempo juntos.
Procure por coisas que vocês possam fazer e desenvolver juntos.
Não encontrar tempo para estarem juntos
Se você não separar um tempo para estarem juntos, provavelmente esse tempo nunca será encontrado. Outras coisas, pessoas e eventos irão tomar todo o seu tempo.
Crie a disciplina de "fazer" o tempo a fim de estarem juntos.
Não se comunicarem regularmente ou de maneira significativa.
O casamento associa duas pessoas ocupadas, e a preocupação da família em produzir um relacionamento que é desafiado pelas muitas direções da vida ativa.
Você deve continuamente desenvolver a comunicação, para manter um laço de intimidade em meio a tantas ocupações. A prática da comunicação requer tempo e compromisso se é que de fato vamos ouvir o nosso cônjuge.
Não resolver as diferenças que emergem
A intimidade é mais fácil de ser destruída do que construída. Ignorar ou fingir que as diferenças não acontecem, absolutamente nada resolve. Dê a vocês mesmos o tempo para crescerem juntos em unidade. Encare, confronte e lide com seus problemas.
Se comunicar magoando o outro
Pergunte a você mesmo: Minhas palavras convidam meu cônjuge a entrar no meu coração ou o/a lançam para longe de mim?
Se ultimamente as suas palavras não têm sido cheias de graça , se arrependa diante do Senhor e de seu cônjuge.
Nunca ataque seu cônjuge: sempre ataque o problema que é a raiz da desavença. Fale carinhosamente.
Ser desonesto
O engano jamais traz nada de útil num relacionamento. Sempre diga
a verdade com integridade.
Importunação
Uma vez que você já disse ao seu cônjuge tudo o que você sabe que
já foi ouvido, deixe com ele/ela e entregue ao Senhor. Encorajem um ao outro.
Comportamento abusivo ou violento
O comportamento abusivo é prejudicial ao espírito e à alma, assim como ao corpo. As repercussões de um abuso também irão ferir àqueles que estão ao seu redor. Procure aconselhamento imediatamente.
Tratem um ao outro com amor.
Infidelidade
Não há nada que possa trazer maior dano a um relacionamento do que
infidelidade conjugal seja de caráter físico ou emocional. A infidelidade pode dar lugar a uma ilusão temporária mas as conseqüências podem ser devastadoras.
Perdão, cura e reconciliação podem vir a tomar lugar, mas o processo pode deixar profundas e visíveis cicatrizes não apenas em você, mas em muitos ao seu redor.

sábado, 18 de setembro de 2010

Harmonia conjugal

O relacionamento entre marido e mulher é fundamental para um matrimonio feliz e este é indispensável para que haja uma família feliz. Numa visão cristã, com base na Bíblia, procuraremos analisar alguns fatores importantes para a harmonia conjugal.

1. ORIGEM DO CASAMENTO

Todo cristão já sabe que o casamento é de ORIGEM DIVINA. Gn 1.27; 2.18,24.

2. OBJETIVO DO CASAMENTO

Podemos dizer que o casamento tem como objetivo primordial a UNIÃO legítima entre um homem e uma mulher para:
2.1. A felicidade do homem
2.2. Construir Família
2.3. Servir a Deus
2.4. Adorar a Deus

Com isso, o Criador visava propiciar ambiente e condição para a FELICIDADE do homem, não o deixando na solidão (Gn 2.18).

3. PRÉ-REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA UM CASAMENTO FELIZ

3.1. Aceitar os princípios da palavra de Deus para o matrimônio.

O cristão deve ter em mente que em tudo na vida deve submeter-se à Palavra de Deus, como servo (Mt 20.25-28), temer a Deus e andar nos seus caminhos (Sl 128)

3.2. Submeter-se ao Espírito Santo para obedecer a palavra de Deus

Somente com o poder do Espírito Santo o casal tem condições de obedecer a Palavra de Deus com relação ao casamento. Para tanto, precisa do Fruto do Espírito em seu relacionamento, conforme Gl 5.22-23. O homem espiritual e a mulher espiritual, que são os verdadeiros crentes, demonstram isso na vida diária: AMOR, GOZO, PAZ, LONGANIMIDADE, BENIGNIDADE, BONDADE, FÉ, MANSIDÃO, TEMPERANÇA. Havendo essas maravilhosas virtudes do Espírito, o casal, o casamento e a família serão felizes.

4. REQUISITOS PARA UM CASAMENTO FELIZ

Com base na Palavra de Deus, temos a seguir os requisitos que consideramos mais importantes:

4.1. Independência (Gn 2.24)
1) Emocional
2) Domiciliar
3) Financeira

4.2. União Espiritual
- Os dois precisam ter as mesmas convicções espirituais (2 Co 6.14);
- Precisam ter o mesmo COMPORTAMENTO espiritual no servir a Deus (1 Pe 3.7).

4.3. União Psicológica
- Refere-se à união dos temperamentos, dos sentimentos, das emoções (1 Co 1.10);
- Equilíbrio emocional, "temperado"; Fruto da temperança (Gl 5.22; 2 Co 13.11).

4.4. União intelectual
- Resultante da formação, da instrução, dos conhecimentos adquiridos. Se possível, os dois devem ter o mesmo nível intelectual ou níveis aproximados;

4.5. União social
- O casal origina-se de famílias diferentes: pais, sogros, parentes;
- Constituem família (grupo social):
- Sociedade: CASAL-FAMÍLIA-SOCIEDADE
- Aspecto legal: 1 Co 7.39b.

4.6. União física/sexual

1) Sua Natureza
- Prevista por Deus (Gn 1.27-28; 2.24)
- Não era, nem é e nem será pecado (dentro dos princípios de Deus): Hb 13.4;

2) Sua Finalidade
- Procriação (Gn 1.28);
- Ajustamento mútuo entre marido e mulher (1 Co 7.1-7);
- Satisfação (bem-estar, prazer): Pv 5.18-23; Ec 9.9 ; Ver Livro de Cantares de Salomão.
- Deus valoriza a união sexual entre marido e mulher (Dt 24.5)

3) Como deve ser, no plano de Deus
- Exclusiva (Gn 2.24; Pv 5.17);
- Monogâmica;
- Alegre (Pv 5.18);
- Santa (1 Pe 1.15; 1 Ts 4.4-8)
- Natural ( Ct 2.6; 8.3)
- Observar o significado do Corpo para Deus como

Templo do Espírito Santo

Propriedade de Deus

1 Co 6.19-20

4.7. União Amorosa
- O marido deve amar sua esposa (até de modo sacrificial) : Ef 5.25;
- A esposa deve amar o seu esposo (Tt 2.4; 1 Pe 1.22)

4.7.1. Como Demonstar o Amor
- Com afeto, com carinho, com palavras ( Ct 4.1,10; Pv 31.29);
- Com gestos, abraços, carícias (1 Jo 3.18; 1 Pe 3.8);
- Fazendo o possível em favor do outro (Ef 5.25);
- Zelando um ao outro (Ef 5.29).

O AMOR é o elo principal do relacionamento entre o marido e a mulher. Se não houver o amor tudo desaba. Este amor deve estar dominado pelo AMOR ÁGAPE ( 1 Co 13).

4.8. Respeito
* O marido deve respeitar a mulher (1 Pe 3.7);
* A mulher deve respeitar o marido ( Ef 5.33);
* Um não é maior que o outro (1 Co 11.11; Gl 3.26-28).

4.9. Comunicação

- É necessário DISPONIBILIDADE DE TEMPO para a comunicação entre o casal (Ec 3.1-2)
- Inimigos da comunicação:

a) Excesso de trabalho: no Lar, no emprego, na igreja;
b) Desunião (Tg 3.13-18);
c) Desvio de atenções: TV, atividades, amigos.

4.10. Entender o conceito de liderança Cristão no Lar

1) O Marido é a cabeça (O LÍDER) do casal e do lar (Ef 5.22-23)
2) A Mulher é a vice-líder, ao lado do marido (ADJUTORA) Gn 2.18;1 Tm 5.14.
3) A liderança do casal esta sob a liderança de Cristo (1 Co11.1-3)



DEUS  - Nturezada liderança Cristã:
(a) Centrada em Cristo
(b) Espiritual
(c) Amorosa
(d) Participativa

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A rotina e o desleixo, saiba suas consequências.

O matrimônio deteriora-se quando não se renova, quando se permite que entre nos trilhos da rotina.
Há uma rotina indispensável e benéfica que nos permite cumprir com regularidade, constância e pontualidade os nossos deveres espirituais, familiares e profissionais.
Mas existe uma outra rotina, a rotina mortífera, que deve ser afastada como a peste. É uma rotina que, pouco a pouco, como uma sanguessuga, vai dessangrando o convívio conjugal. Todos os dias um pouco. Imperceptivelmente, endurece-nos, converte os nossos atos em algo mecânico, torna-nos autômatos, robôs sem vida, extingue o calor e a alegria de viver e de amar. Esta rotina provoca um desgaste progressivo na vida familiar, uma perda de energias, uma espécie de anemia vital que torna a existência cinzenta, anódina, incolor.
Externamente, o casal vai mantendo as aparências, como um móvel visitado pelo cupim, corroído por dentro. Por fora, nada se percebe, mas de repente tudo desmorona, os cenários desabam, as fachadas caem e aparece um panorama desolador: "Meu Deus, toda a minha vida, daqui para a frente, vai ser igual"... E entra-se numa espécie de letargia mortífera. Muitas infelicidades, muitas crises conjugais, muitas deserções são provocadas por esse fenômeno.
Quando na nossa vida diária não "contemplamos o amor", não renovamos o amor, caímos nessa rotina que mata. Os mesmos bancos, as mesmas flores, o mesmo jardim, a pesada monotonia do que é sempre igual. Quando o amor está ausente, tudo é tão triste...!
Você talvez já tenha passado por uma experiência parecida. Estava trabalhando numa tarefa extremamente enfadonha, repetitiva, rotineira... e pensava: "Tomara que termine logo"... De repente, alguém que você ama muito pôs-se ao seu lado e disse-lhe: "Deixe que lhe dê uma mão. Ao menos, deixe-me ficar com você até terminar"... E, naquele momento, você murmurou: "Tomara que não termine nunca!" As mesmas circunstâncias mudam substancialmente quando o amor está presente. A mesma família, a mesma esposa..., mas tudo é diferente porque se soube remoçar o amor: as pupilas, dilatadas pelo amor de Deus, pelo amor ao cônjuge e aos filhos, conseguem enxergar uma nova família, uma nova esposa, um novo trabalho todos os dias.
O poeta francês Lamartine passava horas a fio olhando sempre para o mesmo mar. Alguém lhe perguntou certa vez: "Mas não se cansa de olhar sempre a mesma vista?" - "Não - respondeu -; por que será que todos vêem o que eu vejo e ninguém enxerga o que eu enxergo?" A sua alma de poeta permitia-lhe ver realidades diferentes nas paisagens de sempre. A alma contemplativa que o amor nos confere dá-nos também essa acuidade espiritual que nos permite ver mundos novos por trás das aparências sempre iguais do monótono viver diário. Em contrapartida, quando não existe uma viva preocupação por renovar o amor como o fator mais importante da vida conjugal e familiar, aparecem esses matrimônios corroídos pela monotonia.
Lembro-me do Gilberto e da Cida. Acompanhei as suas vidas desde o início do casamento. Amavam-se muito. Gilberto, jovem advogado que achava lindíssima a sua "Cidinha", trabalhou muito e prosperou. Aconselhava-se espiritualmente comigo.
Depois de catorze anos de casamento, Gilberto disse-me um dia:
- O meu casamento entrou em crise. Morro de tédio e monotonia. Todos os dias, quando me levanto, vejo a Cida despenteada, sem se arrumar, horrorosa, com os pés enfiados nuns chinelos horríveis que não troca faz quinze anos, arrastando-se pelos corredores, cansada... Abro a porta do quarto e encontro as crianças, que já são adolescentes, discutindo, brigando... A minha casa parece um zoológico...
"Depois, chego ao escritório e encontro lá a Mônica, uma estagiária. O panorama muda da água para o vinho. Ela é encantadora. Acho que tem uma queda por mim... Aproxima-se, charmosa...: "O senhor parece cansado...; não quer que lhe traga uma aspirina com uma coca-cola?" E afasta-se com um andar cadenciado que me arrebata... Estou perdendo a cabeça... Em casa, sinto-me acorrentado... Tenho necessidade de libertar-me. Por que condenar-me à prisão de um amor que já morreu? O contraste entre a Mônica e a Cidinha é muito forte... Não sei, não... O que me aconselha?...
- Eu lhe daria quatro conselhos - respondi -, mas preciso antes que você me diga se está disposto a cumpri-los.
- Sempre aceitei e pratiquei os seus conselhos, e não é agora, neste momento crítico, que deixarei de segui-los! - O primeiro - prossegui -, é que mande embora a estagiária...
- Não! Isso não!!
- Prometeu seguir os meus conselhos... Ao menos, dê-lhe trinta dias de férias remuneradas...
- Isso sim, posso fazer...
- Em segundo lugar - acrescentei , diga ao seu filho que pensa trocar a mãe dele pela Mônica... Já imaginou o que lhe responderá esse seu filho, que lhe parece um "bicho do zoológico", mas que ama o pai mais do que tudo no mundo? Quer que lhe diga?: "Pai, esperaria qualquer coisa de você, menos que fizesse isso com a minha mãe"...
- Você está sendo dura demais - retrucou o meu amigo.
- Não. Pense que estou apenas adiantando o que, muito provavelmente, lhe dirá o seu filho...
"Terceiro conselho: olhe a Cida com outros olhos, como a mãe dos seus filhos, como aquela que perdeu a juventude e a beleza ao seu lado, que já fez o papel de enfermeira - quantos remédios ela já não lhe levou à cama! -, mãe e companheira amorosa; e, especialmente, recomendo que aprofunde mais na sua vida espiritual, que está muito desleixada: daí tirará forças. E, por último, antes de ter essa conversa com o seu filho, espere que eu fale com a Cida... Diga-lhe para vir falar comigo...
Veio a Cida, toda inocente, desarrumada, despenteada:
- Cida, por favor, arrume a "fachada" e... compre outros chinelos!
A Cida era inteligente. Foi ao cabeleireiro, comprou roupas novas, uns chinelos novos, tornou-se mais carinhosa com o Gilberto, preparou as "comidinhas" de que ele gostava... e terminou "reconquistando" o marido.
Quando a Mônica voltou de férias, o Gilberto dispensou-a sumariamente.
Hoje, Gilberto e Cida são muitos felizes. O filho mais velho formou-se em Engenharia. Nem suspeita de nada. Continua amando o pai, como os demais irmãos. Muitas vezes penso o que teria acontecido a essa família se o Gilberto se tivesse deixado enfeitiçar .
É evidente que nem o marido nem a mulher devem permitir esse desgaste. A monotonia densa, pesada, que torna a vida uniforme, insípida, tediosa, insustentável, venenosa, reclama clamorosamente uma renovação.
Outra recordação que talvez seja útil. Um amigo veio-me fazer uma confidência sobre as "amarguras" do seu casamento:
- A Elizabeth está esquisita, anda queíxando-se continuamente de stress; sente-se abafada dentro de casa; diz que não tem horizontes...
- Mas ela era alegre, animada, esportista... Por que você não tem a coragem de perguntar-lhe à queima-roupa: "Que você gostaria de fazer um dia qualquer deste mês? Diga, por favor, rapidinho"...
Ele fez a experiência e ficou "bobo":
- Ela começou a pular e rir como uma criança... "Você fala a sério? Eu quero ir à praia de Búzios e comer uma suculenta peixada depois daquele banho de mar, no mesmo quiosque onde nós íamos namorar..." Quando eu concordei, rindo, foi como se o véu da desmotivação que cobria o seu rosto caísse por terra num instante. Fomos à praia, almoçamos como quando éramos namorados... Quer saber de uma coisa? Ela não arreda pé ... Cada trinta dias me pergunta: "Vamos a Búzios?" Faz dois meses que não discutimos. Ela está muito bem disposta... parece que o cansaço acabou...
Renovar-se ou morrer ? é preciso superar essa seqüência cinzenta de dias e semanas; é mister uma renovação de idéias, projetos e programas de vida, introduzindo em cada semana uma pequena novidade, um passeio, um jantar fora de casa, um "dia azul"... e a cada biênio um novo roteiro de férias, uma pequena reforma na casa; e, para as mulheres especialmente, uma renovação da fachada, do visual, do penteado..., esforçando-se por estar sempre atraentes, dentro de casa ainda mais do que fora, a fim de conquistar e reconquistar o seu marido todos os dias.
Mas o que é mesmo absolutamente necessário é o fortalecimento espiritual. Como já dissemos, é do fundo da alma que brotam, como de uma fonte, novas perspectivas de vida. O Espírito Santo permite, como diz a Sagrada Escritura, que a nossa juventude se renove corno a da águia! (SI 102, 5). Todo o amor genuíno, seja qual for a sua natureza, tem em Deus o seu fulcro e o seu término. Por isso, o problema da monotonia, do cansaço, do desgaste do amor conjugal encontra no amor de Deus o estopim da sua renovação: é o amor a Deus, vivido no meio dos afazeres diários, que dilata as nossas pupilas para que possamos encontrar no mar da família perspectivas novas, e no rosto do outro cônjuge os valores esquecidos.
Um caso que ilustra esta verdade. O marido - que já tinha passado dos sessenta, e ela idem - vinha-me dizendo havia anos que não suportava mais a mulher, que conviviam, mas trocavam poucas palavras. Mas ele sofria com esse seu modo de ser, pouco flexível em questões domésticas, e lutava por vencer-se. Um dia, porém, chegou com um largo sorriso: "Sabe? Desde há um mês, voltamos a orar, minha mulher e eu". Parece um gesto simples, mas esse gesto comum - orar juntos - derrubou as barreiras. No início custou, mas pouco a pouco converteu-se no sinal mais claro e mais seguro da reversão de uma crise matrimonial que se vinha arrastando, surda e tristonha, havia décadas.
Não deixe seu relacionamento acabar por bobagens, busque mudança, busque ao Senhor e resgate o amor.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

A comunicação dentro do lar

Vivemos na chamada era da comunicação. Rádio, Tv, fax, telefone e computador, a cada dia, estão sendo aperfeiçoados para nos fazer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo.
Mas, ao mesmo tempo, é constante a reclamação de filhos por que seus pais não encontram tempo para ouvi-los; cônjuges que, vivendo debaixo do mesmo teto, não conseguem compreender-se. O que fazer para melhorar esse quadro? Como manter a boa comunicação no lar?
BARREIRA DA BOA COMUNICAÇÃO
a) Falta de vontade de comunicar-se
b) Medo de ser reprovado
c) Conflitos de gerações
d) Influências negativas dos meios de comunicação
COMO MELHORAR NOSSA COMUNICAÇÃO
Quando se fala de comunicação, é bom notar que a ênfase está na qualidade e na quantidade. É lógico que num relacionamento dinâmico haverá uma certa quantidade, mas a boa comunicação não pode ser resumida apenas em bate-papos superficiais.
DIRETRIZES BÍBLICAS PARA UMA BOA COMUNICAÇÃO
a) Falar a verdade em amor, Ef. 4:25 e Cl. 3:9.
b) Falar palavras que provam a edificação do próximo (Cônjuges), Ef. 4:29
c) Evitar contendas, Ef. 4:31 e Pv. 20:3
d) Saber ouvir, Tg. 1:19.
e) Não responder com ira, Pv. 15.1
f) Respeitar a opinião do outro, Fp. 2:1-4 e Ef. 4:2.
Em Eclesiastes 3:1-8, o escritos deixa claro que há tempo para execução de todas as coisas e certamente há o tempo oportuno para se comunicar, Pv. 15:23. Devemos ser sábios a ponto de escolhermos o melhor momento para dar uma resposta, sem, no entanto, usar o silêncio para frustrar o outro. Se, em determinado momento, não estivermos dispostos a falar sobre certos assuntos, devemos justificar-nos com quem estamos conversando.
A boa comunicação haverá de melhorar em muitos o nosso relacionamento familiar. Deus nos deu o maior exemplo de comunicação. Seu filho fez-se homem para que pudéssemos entender sua mensagem, Hb. 1:1-3.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Cuide de seu casamento

A Trajetoria que muitas mulheres vem trilhando hoje, em sua condição de mulher e esposa, é acompanhada de uma dose de frustração, desanimo e sofrimento."Porque o meu marido não conta comigo como sua ajudadora? Porque ele não reconhece o meu valor? "Afinal, para que fui me casar? está no pensamento de algumas mulheres. Casa, compras. filhos, trabalhos, contas. Tantas coisas para administrar na vida cotidiana que muitos casais nao tem mais tempo para se curtir. O escritor, Marcelo Aguiar, usa o poço como um simbolo do casamento, pois este é um lugar de vida. E eu fiquei meditando nisso, pois na epoca de Isaque( Gn 26.12 ), um homem era considerado rico se em sua propriedade houvesse um poço. Alem disso, tinha grande significação na vida social da comunidade: nele, os encontros aconteciam, hoje são os shopping. Em Pv 5.15 nos diz " Bebe a água da tua propria cisterna e das correntes do teu poço. Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade" Como vimos, o poço serve de simbolo para o casamento, por isso, causa-nos surpresa o fato de que algo tao necessario seja destruido como aquele poço que Isaque achou.O casamento é algo divino e maravilhoso. Nele investimos o que nos temos de melhor: tempo, confiança, sonhos. Nele encontramos alguem para dividir tudo o que somos e possuimos. Deus criou o matrimonio para ser uma fonte refrescante em meio aos desertos. Porque muitos casamentos estão sendo atacados,minados?
O amor que leva um homem e uma mulher ao altar precisa de cuidados diarios. Ele deve ser renovado na compreensão, na gentileza, no respeito, no carinho. É um trabalho constante, Se não, minha querida, pedras se acumulam e nesse caso voces se distanciarao mais e mais. E vai acumulando camada de lixo no poço, até que ele fique completamente entulhado. E voce comeca a se perguntar o que aconteceu, como chegou nesse ponto.
Ha esposas demolindo o proprio casamento. Atitudes erradas acabam dando fim a um lar.
A Mulher destroi seu casamento quando :
esquece do respeito, da paciencia, da humildade, quando coloca em 1º lugar os parentes, a casa..so critica, cobra, e agressiva com o marido na frente dos outros, quando usa o silencio como arma..e por ai vai. Quando fica mais atenta para os defeitos e esquece as qualidades do esposo..quando nao se arruma, se cuida...
Não quero falar quando os homens destroem o casamento, nós teriamos muitos motivos..mas eu estou aqui para escrever para voce, minha amiga. Não dá para culpar o mundo, o diabo e nem mesmos os filisteus pela falencia de uma união. Eles podem ser uma influencia. Limpar o poço todos os dias e a melhor forma de evitar que ele seja entulhado. Mas um casamento pode ser restaurado. Aprendemos com Isaque, que uma união pode ser ser recontruida mesmo quando tudo parece perdido. Se voce olha para o seu relacionamento e ve uma cena dificil, lembre-se: no fundo de toda união ha o amor que motivou. Deus quer que o seu relacioamento seja um oasis no deserto. Para restaurar é preciso dobrar os joelhos. Busque o auxilio do Senhor. É preciso também tirar as pedras. Essa parte é a mais dificil. E preciso conversar, resolver. Abrir o coracao. Encarar o problema.
Minha amiga, Deus é o Deus que muda qualquer situação! Creia! Não confesse jamais a derrota e a falencia do seu lar. Nao fale dos problemas, mas confesse as vitorias de que Jesus ja ganhou por voce! DEUS PODE MUDAR O SEU RELACIONAMENTO! Lute com as armas da paciencia, da oracão, do jejum, do amor..elas são poderosas para destruir qualquer influencia maligna sobre o seu marido. Ou sobre quem quer que seja!

Para um casamento cheio de alegria


- Sejam submissos a Jesus e cheios de esperança nEle (Romanos 14:7-8; 12:12).
- Façam com que o seu principal objetivo seja serem um retrato agradável de Cristo e da igreja a Deus (Efésios 5:22-33) e diante do mundo, para que eles possam glorificar a Deus (Mateus 5:26).
- E contemplai o mistério!: “Deus não criou a união entre Cristo e a igreja conforme o padrão do casamento humano; é justamente o contrário! Ele criou o casamento humano com base no padrão da relação de Cristo com a igreja” (Piper, Desiring God, p. 181).
- Reconheçam que vocês são co-herdeiros da graça da vida eterna (1 Pedro 3:7).
- Reconheçam que o casamento é uma expressão da realidade de que Deus criou pessoas para serem canais, não becos-sem-saída, de Sua graça (Gênesis 2:18). Portanto, procurem ser um canal da graça de Deus de um para outro, em todo o tempo!
- Amem um ao outro com sentimentos e ações (Efésios 5:25; Tito 2:4), que significa buscar seu prazer no prazer do outro (Efésios 5:28-30).
- Com amor romântico - se alegrar com a alegria do outro e expressar isto num romance criativo (Provérbios 5:18-19; Cântico dos Cânticos 1:2-4, 8-11; 4:1; 6:4).
- Com amor sexual - tome grande deleite na sexualidade, satisfazendo um ao outro (Provérbios 5:18-19; 1 Coríntios 7:1-5; Hebreus 13:4).
- Com profundo amor ágape - sirvam um ao outro cheios de alegria (Efésios 5:22,25).
- Com amor companheiro - sejam os melhores amigos (segundo o modelo de Romanos 12:10).
- Acabe as discussões e as críticas (Gálatas 5:15).
- Se uma falha ou erro deve ser apontado, faça-o com exortação e não com criticismo negativo (que é oposto ao construtivo) - (2 Tessalonicenses 3:12-13; Romanos 12:19,21) - com implicações, desencorajamentos e/ou com intenção de revanche e “acerto de cortas”.
- Nunca comparem.
- Nunca ameacem (Efésios 6:8-9).
- Riam (Salmos 126:1-2).
- Honrem um ao outro (Romanos 12:10).
- Não seja um controlador, não desdenhe das realizações do outro, não implique, não enfatize as falhas e sempre esteja ao lado do seu companheiro. Se o criticismo é válido ou há alguma verdade para ele, não honra o relacionamento se enfiamos a faca mais fundo, depois que já tiramos sua confiança. Honrar nosso companheiro significa que sempre estamos do seu lado, a despeito da circunstância ou acusação” (p. 93).
- Esposas, tenham um espírito dócil e tranqüilo, que é precioso à vista de Deus (1 Pedro 3:4).
- Perdoem (Efésios 4:32)..
- Usem seus recursos monetários para o propósito de serem ricos em boas obras, entesourando riquezas no céu, onde nossa completa esperança deve estar (1 Timóteo 6:17-19).
- Esposas, administrem suas casas (1 Timóteo 5:14).
- Devotem uma quantia de tempo consistente para estarem juntos sozinhos.
- Façam coisas juntos.
- Sejam responsáveis um pelo outro.
- Sejam um time.
- Orem juntos consistentemente.
- Estudem a Bíblia juntos consistentemente.
- Orem por seu casamento consistentemente.
- Esposas, sejam submissas (isto é, obedeçam em atitude e ação) aos seus maridos (Efésios 5:22-24; Colossenses 3:18).
A submissão a ele não deve ser condicionada ao seu comportamento, mas deve ser de acordo com a Palavra, porque a Bíblia não me diz para ser submissa se; ela apenas me diz para ser submissa. Minha responsabilidade é obedecer e deixar Deus tratar com ele. Isto traz graça e engrandecimento.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Bodas de casamento

Aniversários de Casamento:


A festa que celebra o aniversário de casamento é chamada de Boda (pronuncia-se "bôda"). No Brasil é costume dizer Bodas, no plural.
As Bodas de Prata (25 anos de casamento) e de Ouro (50 anos) são as mais conhecidas e comemoradas.
Para cada ano existe um material que representa uma nova etapa.
A origem etimológica da palavra boda provém da palavra latina votum, que significa promessa.
Desta forma, quando se diz "nossa boda" estamos dizendo "nossas promessas".

Comemorem todos os anos, nem que seja a dois!

01º - Bodas de Papel
02º - Bodas de Algodão
03º - Bodas de Couro ou Trigo
04º - Bodas de Flores, Frutas ou Cera
05º - Bodas de Madeira ou Ferro
06º - Bodas de Açúcar ou Perfume
07º - Bodas de Latão ou Lã
08º - Bodas de Barro ou Papoula
09º - Bodas de Cerâmica ou Vime
10º - Bodas de Estanho ou Zinco
11º - Bodas de Aço
12º - Bodas de Seda ou Ônix
13º - Bodas de Linho ou Renda
14º - Bodas de Marfim
15º - Bodas de Cristal
16º - Bodas de Safira ou Turmalina
17º - Bodas de Rosa
18º - Bodas de Turquesa
19º - Bodas de Cretone ou Água Marinha
20º - Bodas de Porcelana
21º - Bodas de Zircão
22º - Bodas de Louça
23º - Bodas de Palha
24º - Bodas de Opala
25º - Bodas de Prata
26º - Bodas de Alexandrita
27º - Bodas de Crisoprásio
28º - Bodas de Hematita
29º - Bodas de Erva
30º - Bodas de Pérola
31º - Bodas de Nácar
32º - Bodas de Pinho
33º - Bodas de Crizopala
34º - Bodas de Oliveira
35º - Bodas de Coral
36º - Bodas de Cedro
37º - Bodas de Aventurina
38º - Bodas de Carvalho
39º - Bodas de Mármore
40º - Bodas de Esmeralda
41º - Bodas de Seda
42º - Bodas de Prata dourada
43º - Bodas de Azeviche
44º - Bodas de Carbonato
45º - Bodas de Rubi
46º - Bodas de Alabastro
47º - Bodas de Jaspe
48º - Bodas de Granito
49º - Bodas de Heliotrópio
50º - Bodas de Ouro
51º - Bodas de Bronze
52º - Bodas de Argila
53º - Bodas de Antimônio
54º - Bodas de Níquel
55º - Bodas de Ametista
56º - Bodas de Malaquita
57º - Bodas de Lápis-lazúli
58º - Bodas de Vidro
59º - Bodas de Cereja
60º - Bodas de Diamante
61º - Bodas de Cobre
62º - Bodas de Telurita
63º - Bodas de Sândalo
64º - Bodas de Fabulita
65º - Bodas de Platina
66º - Bodas de Ébano
67º - Bodas de Neve
68º - Bodas de Chumbo
69º - Bodas de Mercúrio
70º - Bodas de Vinho
71º - Bodas de Zinco
72º - Bodas de Aveia
73º - Bodas de Manjerona
74º - Bodas de Macieira
75º - Bodas de Brilhante ou Alabastro
76º - Bodas de Cipestre
77º - Bodas de Alfazema
78º - Bodas de Benjoim
79º - Bodas de Café
80º - Bodas de Nogueira ou Carvalho
81º - Bodas de Cacau
82º - Bodas de Cravo
83º - Bodas de Begônia
84º - Bodas de Crisântemo
85º - Bodas de Girassol
86º - Bodas de Hortênsia
87º - Bodas de Nogueira
88º - Bodas de Pêra
89º - Bodas de Figueira
90º - Bodas de Álamo
91º - Bodas de Pinheiro
92º - Bodas de Salgueiro
93º - Bodas de Imbuia
94º - Bodas de Palmeira
95º - Bodas de Sândalo
96º - Bodas de Oliveira
97º - Bodas de Abeto
98º - Bodas de Pinheiro
99º - Bodas de Salgueiro
100º - Bodas de Jequitibá

domingo, 12 de setembro de 2010

O prazo máximo do namoro cristão eté o casamento

Na verdade esse prazo não existe… Existem orientadores que determinam um prazo de 3 anos e isso eu afirmo é ridículo. Afinal de contas, quem abençoa o seu namoro? É o orientador ou Deus? Quem pode determinar o seu tempo de namoro, noivado e casamento?


Tudo depende de diversos fatores. O namoro é um pré casamento, Então como eu gosto e muito que os leitores desse blog tenham opiniões a respeito dos assuntos que aqui são abordados, então eu vou escrever aqui diversos fatores e vocês vão montando o quebra-cabeça nos comentários ok?

Então lá vai as peças:

Do namoro até o casamento depende de:

Condições Financeiras =
Construir uma casa
Morar de aluguel
Financiar uma casa
Fazer um puxadinho na casa dos pais
Emprego fixo com salário capaz de sustentar 2 pessoas
Emprego para sustentar uma pessoa

Educação =
Esperar terminar o curso superior para casar
Adiar o curso superior para casar

Maturidade =
Cíume
Imaturidade
Falta de Responsabilidade
Incompreenção
Compreenção
Perseverança
Maturidade
Responsabilidade
Fidelidade
diálogo

Espiritualidade =
Mesma fé
Acreditam no mesmo Deus
Mesmo grupo da igreja

Como montar o quebra cabeça de acordo com que você vive ou deseja viver ok? Vou dar um exemplo> Examine seu namoro ou a situação em que vive (solteiros).

Emprego Fixo capaz de sustentar 2 pessoas, financiar uma casa ou apartamento, adiar o curso superior, Maturidade (só as coisas boas), Mesma fé, Mesma igreja, Obra de Deus no átrio e outros....

 Agora vá montando nos comentários!

sábado, 11 de setembro de 2010

Os 10 mandamentos da esposa sábia


01 - Ser sempre zelosa (Pv 31:27)


02 - Estar sempre pronta para receber o esposo (Pv 18:22)

03 - Dar honra ao esposo (Ec 1:20: Pv 31:23)

04 - Ser sempre econômica (Pv 14:1)

05 - Sempre mostrando um sorriso confiante (Pv 31:11)

06 - Sempre conheça o orçamento do esposo (Pv 31:27)

07 - Sempre revelar ao marido os fatos do dia (1 Tm 3:11)

08 - Na ausência do marido, não assumir nenhum compromisso (Pv 31:11 e 12)

09 - Na medida do possível, fazer a refeição que o esposo gosta (Gn 27:4)

10 - Sempre compreender seu esposo, ainda que tendo ele algumas falhas (Pv 31:28-29)